Festival Y#08 – David Marques apresenta “Future Plans”, dia 30.Outubro.2010, na Covilhã

27 10 2010

Crédito foto: Susana Neves

“Future Plans”, espectáculo de dança de David Marques, encerra a programação da oitava edição do Festival Y – festival de artes performativas. Dia 30.Outubro.2010, às 21h30, no Auditório do Teatro das Beiras [Covilhã].


Sobre “Future Plans”:

Future Plans joga-se na relação entre vários olhares, entre a virtualização de um futuro que é apresentado e a percepção que os intérpretes e o público vão construir dele. Neste jogo de visões, dois seres sozinhos, num espaço de pequenas dimensões, ritualizam um processo de mudança entre o presente o futuro. São propostas legendas, palavras que se conjugam com o movimento para construir leituras sobre a peça. A necessidade de celebrar a mudança como preparação do futuro parece resultar num estado de alheamento da realidade dos intérpretes e de prazer na aleatoriedade. Se a relação entre os corpos em cena poderá parecer votada ao fracasso, as legendas que são projectadas no palco sugerem uma possível narrativa onde se podem ler as coisas que não se vêem.

Anúncios




Festival Y#08 – Macarena Recuerda Shepherd, dia 29.Outubro.2010, na Guarda

27 10 2010

“That’s the story of my life”, espectáculo de teatro de objectos/multimédia de Macarena Recuerda Shepherd é o último espectáculo do Festival Y#08 – festival de artes performativas na Guarda. Para ver no dia 29.Outubro.2010 [6ª feira], às 21h30, no Pequeno Auditório do Teatro Municipal da Guarda.

 

Sobre “That’s the story of my life”:

O meu objectivo é criar um álbum de família sem família. Encontrar nos diferentes suportes visuais uma narração diferente. Servir-me de imagens ou de imagens-texto para desenhar uma tipologia autobiográfica, a autobiografia visual, que mais do que o auto-retrato estabelece uma nova ligação entre o autor, a vida e a descrição da mesma. Assim surgem questões como os processos criativos que recorrem ao arquivo, a relação entre o registo e a lembrança, o diálogo entre o lugar e a memória.

Macarena Recuerda Shepherd





Festival Y#08 – António Júlio apresenta “200 gr.”, dia 26.Outubro, na Covilhã

22 10 2010

António Júlio apresenta a performance “200 gr.”, dia 26.Outubro.2010, às 21h30, no Auditório do Teatro das Beiras [Covilhã], no âmbito do Festival Y#08 – festival de artes performativas.

 

Sobre “200 gr.”:

200gr. não é a forma de eu dizer eu. É uma forma de exibição mas não assumida. 200gr. é uma forma de dizer um.

Se numa embalagem não existisse senão a designação de peso, nada ficaríamos a saber acerca da natureza do seu conteúdo. Esperaríamos pela sua revelação. Ansiaríamos por abrir a embalagem e conhecer o produto. E poderia ser que o produto do interior fosse outra embalagem com a designação de peso, que nos instigasse a continuar.

200gr. apresenta uma verdade escondida. Muitas vezes revelada, muitas vezes distorcida. É um lugar de existência.

Há uma tela de projecção que separa o público do performer. Nessa tela passa-se tudo o que é possível ver. Ao espectador é vedado o acesso ao que se passa, mas este pode ir adivinhando, pelos sons que ouve, pelo que imagina, pelo que projecta.

Na tela, sempre em sombra chinesa, vão passando personagens; conta-se pequenas histórias, ou histórias interrompidas – momentos que se relacionam uns com os outros por todos partirem de um só corpo, do mesmo sempre, que se multiplica, mutila, amplia, recorta ou reinventa. Joga-se com surpresa, num tempo suspenso, sem palavras ditas, nem música tocada. Tudo parte do silêncio e da luz para a obscuridade. É um espectáculo visual, minimal e sensível que deixa ao espectador a possibilidade de lhe acrescentar sons, palavras ou expressão a um rosto sem identidade.

O que eu apresento, do que eu falo é de identidade, da minha, de mim. Mas essa identidade é sempre a construção que faz o espectador. Não digo o meu nome, uso-me como um qualquer. E as respostas que tenho tido são de quem ao ver um, vê-se a si próprio em projecção e apõe-lhe as suas próprias histórias.





Festival Y#08 – Instalação “Corpo Memória Desperdício”, de 20 a 30.Outubro.2010, na Covilhã

15 10 2010

A instalação interactiva multimédia “Corpo Memória Desperdício”, uma co-produção Quarta Parede | Mestrado Design Multimédia da UBI poderá ser visitada de 20 a 30.Outubro.2010 [excepto nos dias 24 e 25], das 21h às 23h30, no Teatro das Beiras [Covilhã].

 

Sobre “Corpo Memória Desperdício”:

Corpo Memória Desperdício é uma instalação interactiva, um teatro de objectos onde fluem micro narrativas que o usuário tem que descobrir para criar as suas próprias histórias, entre um caos de objectos, cabos, palavras – os seus neurónios? – e  mapas.

Este projecto foi desenvolvido no Laboratório de Instalações Multimédia Interactivas (LIMI) e surge de uma parceria estabelecida entre a Quarta Parede e o Departamento de Comunicação e Artes da UBI, com o intento de criar uma equipa interdisciplinar que envolva os estudantes do Mestrado em Design Multimédia com artistas e profissionais do design, das artes de palco, da informática e da electrónica. Do confluir de todas estas áreas emerge a magia da interactividade: as imagens e os sons despoletados por sensores que controlam os corpos, os desperdícios e, talvez, a nossa memória.





Festival Y#08 – Estreia criação da Quarta Parede, “Gota a gota”, dia 20.Outubro.2010

15 10 2010

O Festival Y#08 – festival de artes performativas acolhe a estreia da criação da Quarta Parede “Gota a gota”, com direcção de Rui Sena e Sílvia Ferreira, na próxima quarta-feira, dia 20.Outubro.2010. De 20 a 23.Outubro.2010, às 21h30, no Auditório do Teatro das Beiras [Covilhã].

 

Sobre “Gota a gota”:

A Água em toda a dimensão, mesmo nos seus mais imperceptíveis movimentos – líquido, sólido, gasoso – é o grande leitmotiv de “Gota a gota”, espectáculo dirigido ao público em geral que usa a linguagem do teatro visual, do cinema de animação e da sonoplastia.

O ciclo da água é íntimo da vida, estabelece uma harmonia entre a natureza e o ser humano, harmonia esta que foi deturpada pela sua progressiva mecanização.

“Gota a gota” parte da Água no seu sentido mais lato – somos água rodeadaos de água – pretendendo chegar ao que representa a Água actualmente – energia, exploração, escassez, secas, inundações, contaminação, desperdício.

Gota a gota se vive, gota a gota se transforma, gota a gota se contamina.





Festival Y#08 – Sónia Baptista, dia 14.Outubro, na Guarda

11 10 2010

Sónia Baptista apresenta a performance “Vice-Royale. Vain-Royale. Vile-Royale”, na próxima quinta-feira, dia 14.Outubro.2010, às 21h30, no Teatro Municipal da Guarda


Sobre “Vice-Royale. Vain-Royale. Vile-Royale”:

Vice-Royale. Vain-Royale. Vile-Royale é um tríptico. Uma performance que convoca as linguagens conceptuais e emocionais da dança, do cinema, da música e da poesia. Um espectáculo que apresenta e representa três personagens femininas deslocadas e desditosas numa sugestão de terras e tempos distantes.

* crédito foto: Rui Ribeiro




Festival Y#08 – Clara Andermatt, dia 9.Outubro, em Torres Novas

6 10 2010

Void eléctrico. Foto: Carlos Palma

“Void eléctrico”, da Companhia Clara Andermatt, espectáculo de dança e música, será apresentado no próximo sábado, dia 9.Outubro.2010, às 21h30, no Teatro Virgínia em Torres Novas.

Sobre “Void eléctrico”:

Tudo remonta há 10 anos atrás. Mas “passa-se aqui e agora: Em Portugal, Cabo Verde, Portugal…”, pontos de partida para a criação de uma peça que tem como pano de fundo o encontro de culturas. Uma peça sobre pessoas, feita de experiências e de saudade. Inspirada, nas tristezas, nas dificuldades, nos benefícios de uma década de crescimento de dois cabo-verdianos em Portugal. Repleta de poesia, de ritmo e língua crioula. Por vezes triste, por vezes cómica, filosófica ou pragmática, como Sócrates e Avelino.

Um universo coreográfico, teatral e musical muito pessoal, que nasce do diálogo real e constante de duas culturas no dia-a-dia de Lisboa.

Sou filho, sou irmão, tio, pai, primo, acima de tudo sou neto… neto dos meus avós…. O princípio desse paralelismo acidental… ou ocidental…? Os meus velhos que em criança me ensinaram a sentir um sentir especial, o estar, estar simplesmente, estar só, só no meio da multidão, em paz. Um estado… assim….VOID.